expos      txts      e-books     bio

Quando o tempo aperta


[14 de janeiro de 2016]



A semente desta exposição é o projeto apresentado pelo arquiteto Lucio Costa na XIII Trienal de Arquitetura de Milão, realizada em 1964. Tratava-se da primeira vez que o Brasil havia sido convidado para o evento que nessa edição tinha como tema o “tempo livre”. Foi criado um ambiente a partir de catorze redes de dormir coloridas com uma frase em italiano no imperativo acima delas – “Riposatevi” [Repousem]. O pavilhão recebeu destaque por convidar à participação ativa do corpo dos espectadores que poderiam deitar nessas redes e dedilhar os violões espalhados no espaço. Nas paredes, fotografias de Marcel Gautherot mostravam os jangadeiros do Ceará em contraste com imagens de Brasília. Como escreveu o próprio Lucio Costa, “[...] essa mesma gente que passa o tempo livre na rede, quando o tempo aperta constrói em três anos, no deserto, uma Capital”.

“Riposatevi” propunha uma visada sobre o Brasil a partir do movimento entre trabalho artesanal (as redes e os jangadeiros) e a construção civil (Brasília e o concreto). Essa dualidade também era perceptível na curva entre trabalho e repouso, ou mesmo trabalho e cansaço. A presente exposição deseja se debruçar sobre a parte final de sua frase: “quando o tempo aperta”. Com produções e questionamentos contemporâneos à Lucio Costa, integram a mostra um fragmento da série Dorminhocos, de Pierre Verger, e Cama-bólide, de Hélio Oiticica. O registro que Verger faz do corpo em repouso no espaço público – atitude que ainda traz tensões sociais no Brasil – ecoa com as propostas posteriores de Oiticica em torno do conceito de “crelazer” e da participação do público em ambientes reservados a um espaço de experimentação em que sono, sonho e experiência estética podem ser tornar um. 




Além dessas três pesquisas históricas, dez artistas foram convidados a contribuir com uma indagação em comum: o que fazemos quando o tempo aperta? Seguimos em frente de modo repetitivo ou implodimos e nos entregamos ao sono? É notável a efervescência do momento histórico pelo qual passamos, quando o automatismo do trabalho se transforma em rotina e as palavras do historiador da arte Jonathan Crary são dignas de lembrança: “Um ambiente 24/7 aparenta ser um mundo social, mas na verdade é um modelo não social, com desempenho de máquina – e uma suspensão da vida que não revela o custo humano exigido para sustentar sua eficácia”. Quais as possibilidades, portanto, de reavaliação das relações entre Brasil, trabalho e os limites entre cansaço e repouso mais de cinquenta anos após o “Riposatevi”?

Enquanto o ato de construir, repetir e fracassar dá o tom entre o concreto e o óleo nos trabalhos de Gabriela Mureb, Lais Myrrha e da parceria entre André Komatsu e Marcelo Cidade, é outro lugar, aquele entre a documentação e a ficção de uma situação absurda, que parece interessar às pesquisas de Leandra Espírito Santo, Rochelle Costi e Sara Não Tem Nome. Por fim, as proposições de Adriano Costa, Ana Maria Tavares e Raquel Stolf tencionam a dualidade entre repouso e trabalho através da relação entre forma plástica, significado e utilização de objetos perceptíveis na vivência cotidiana no Brasil.

Mesmo que seja possível, assim como feito neste texto, aproximar essas poéticas de questões formais, temáticas e/ou históricas, a expografia não as reúne espacialmente em blocos fechados. Deseja-se que o espectador consiga fruir cada uma dessas obras e que tenha um papel atento nas articulações possíveis entre os artistas que aqui compartilham o mesmo espaço. No lugar de homogeneizar as imagens, é importante contrastá-las e perceber suas distintas visões de mundo, além de suas possibilidades de conexão trans-históricas. Se o aperto do tempo será sentido forte como o nó de uma forca ou mais folgado como o ato de se retirar uma gravata, caberá a cada visitante concluir a partir de suas experimentações que, certamente, poderão ser lentas como o desejado “lazer-fazer” de Hélio Oiticica ou fugazes como a insistência do motor de Gabriela Mureb.


(texto curatorial da exposição coletiva “Quando o tempo aperta”, fruto do Prêmio Marcantonio Vilaça de curadoria e realizada no Palácio das Artes [Belo Horizonte] e Museu Histórico Nacional [Rio de Janeiro], em 2016)

© 2020, Raphael Fonseca | Todos os direitos reservados.